Arquivo de abril 2010

confraternizacao_ips

Confraternização IPS

Mais >

feriado_algumas fotos


Mais >

feriado

Feriado

Mais >

15th Festival Internacional de Documentários

Somente até Domingo(18/04), o 15˚Festival Internacional de Documentários vai estar mostrando os documentarios onde o tema: É Tudo Verdade.

Vale a pena conferir e aproveitar esse Festival, onde os filmes são gratuitos, contendo apenas uma regra: Tolerancia para entrar na sala é de 10 minutos, após isso, salas fechadas até o termino do filme.

Mais informações clique no banner acima

Essa é a dica da semana!

Passion 2010

Passion – World Tour 2010

Passion World Tour 2010 – São Paulo

Dia 3 e 4 de Setembro! preparem-se

Devocional

Sexta-Feira 09.04.2010

Tiago 2: 14-18

14 ¶ Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo?
15 Se um irmão ou uma irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados do alimento cotidiano,
16 e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso?
17 Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta.
18 Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as obras, te mostrarei a minha fé.

Almeida Revisada e Atualizada

Bíblia Online

Encontrorar

Encontrorar

Treino marcado nessa sexta-feira! Com o tema: “Intimidade com Deus e com os Irmãos”, o Encontrorar desse mês quer mostrar algo diferente a você!

Você deve estar se perguntando o que tem a ver a foto com o encontrorar, pois é, como disse anteriormente queremos mostrar algo diferente. Então venham com Tenis, roupas leves e a Blíblia é claro!

Contamos com a presença de todos.

Ciclo de Palestras

CICLO DE PALESTRAS
“HISTÓRIA, CULTURA E RELIGIÕES:
DESAFIOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS.”
25 E 26 DE MAIO DE 2010.

CICLO DE PALESTRAS“HISTÓRIA, CULTURA E RELIGIÕES:DESAFIOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS.”25 E 26 DE MAIO DE 2010.

É um ciclo de palestras que será realizado no compus da Unicamp, mais especificamente no Intituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), as datas são um pouco ruins, principalmente para o pessoal que mora fora de Campinas. Quem puder ir se programando, vai ser um evento legal.

Mesa 1: dia 25/05 às 14 hs. – Abertura.

Auditório II

Prof. Dr. Elton Nunes (PUC-SP):

Teoria e Metodologia em História das Religiões: A Escola Italiana

Prof. Dr. Antonio Paulo Benatte (UEPG):

“A história cultural das religiões: notas prévias à (re) configuração de um campo historiográfico.”

Profª Drª Eliane Moura da Silva (UNICAMP):

Por uma história cultural das religiões.

Mesa 2: dia 26/05 às 9 hs.

Auditório II

Prof. Dr. Artur Cesar Isaia (UFSC):

A palavra escrita na Umbanda: ambiguidades e disputas”

Profª Drª Karina Kosicki Bellotti (UFPR):

“Mídia, Religião e Cultura – Perspectivas de Estudos”

Prof. Dr. André Caes (UEG):

Religião e pós-modernidade: reflexões sobre a experiência religiosa nas últimas décadas.

Mesa 3: dia 26 às 14 hs.

Auditório I

Prof. Dr. Ronaldo Almeida ( UNICAMP):

pluralismo religioso e espaço urbano.

Profª Drª Néri de Barros Almeida ( UNICAMP):

Idade Média, História da Igreja e História das Religiões: uma reflexão sobre método

Prof. Dr. Leandro Karnal (UNICAMP):

A alteridade e o universo religioso na conquista da América Indígena.

Promoção:

Programa de Pós-graduação em História – Área de História Cultural

Comissão organizadora : Profª Drª Eliane Moura da Silva,

Prof. Dr. Leandro Karnal e Profª Drª Neri de Barros Almeida.

Mais informações :

Suely Borges Costa

Secretaria de Eventos do IFCH/Unicamp

Fone/Fax: (19) 3521.1601

A camisa da alegria

Goiaba do Vizinho #10

“O reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo” (Rm 14.17).
Era uma vez um rei que, apesar de ser muito rico, era triste, pois não conseguia aumentar o seu tesouro.
Ele estava sempre de mal humor e isto causava enormes problemas a todos, pois seus decretos, rudes e injustos, massacravam o povo com exigências descabidas.
Por fim, o rei acabou entrando em depressão. Seus médicos lhe disseram que a única cura para a sua doença era a alegria. O monarca, então, ofereceu um excelente prêmio a quem pudesse lhe trazer a alegria de volta.
Muitos tentaram, mas ninguém conseguiu arrancar um só sorriso da cara do rei. Nada conseguia alegrá-lo. Nem os músicos, nem o bobo da corte, nem as dançarinas, nem os lançadores de enigmas, nem os mímicos, nem os encantadores.
Os amigos do rei resolveram consultar um grande sábio que vivia ali. Ele lhes disse que se o rei vestisse a camisa do homem mais feliz daquele reino, a alegria voltaria ao seu coração.
Iniciou-se, então, uma intensa investigação, para se descobrir quem era o homem mais feliz de todos.
Para surpresa dos investigadores, o homem mais feliz daquele reino morava longe do luxuoso palácio do rei, num casebre muito simples. Ele, sua mulher e seus filhos trabalhavam de sol a sol no cabo da enxada para conseguir se manter, mas, sempre unidos, passavam o dia rindo e cantando.
Os investigadores contaram-lhe o problema que os havia trazido ali e pediram-lhe que ele lhes desse uma de suas camisas, para que a alegria pudesse voltar ao coração do rei. Só então compreenderam porque aquele homem trabalhava na lavoura de peito nú, ele não tinha nenhuma camisa.
Um dos investigadores, espantado, perguntou-lhes como conseguiam ser tão felizes tendo tão pouco, ao contrário do rei, que tinha tanto, mas era infeliz: – Somos felizes porque fomos revestidos pelo reino de Deus. Ele está em nossos corações, respondeu-lhe o homem.

“O reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo” (Rm 14.17).
Era uma vez um rei que, apesar de ser muito rico, era triste, pois não conseguia aumentar o seu tesouro.
Ele estava sempre de mal humor e isto causava enormes problemas a todos, pois seus decretos, rudes e injustos, massacravam o povo com exigências descabidas.
Por fim, o rei acabou entrando em depressão. Seus médicos lhe disseram que a única cura para a sua doença era a alegria. O monarca, então, ofereceu um excelente prêmio a quem pudesse lhe trazer a alegria de volta.
Muitos tentaram, mas ninguém conseguiu arrancar um só sorriso da cara do rei. Nada conseguia alegrá-lo. Nem os músicos, nem o bobo da corte, nem as dançarinas, nem os lançadores de enigmas, nem os mímicos, nem os encantadores.
Os amigos do rei resolveram consultar um grande sábio que vivia ali. Ele lhes disse que se o rei vestisse a camisa do homem mais feliz daquele reino, a alegria voltaria ao seu coração.
Iniciou-se, então, uma intensa investigação, para se descobrir quem era o homem mais feliz de todos.
Para surpresa dos investigadores, o homem mais feliz daquele reino morava longe do luxuoso palácio do rei, num casebre muito simples. Ele, sua mulher e seus filhos trabalhavam de sol a sol no cabo da enxada para conseguir se manter, mas, sempre unidos, passavam o dia rindo e cantando.
Os investigadores contaram-lhe o problema que os havia trazido ali e pediram-lhe que ele lhes desse uma de suas camisas, para que a alegria pudesse voltar ao coração do rei. Só então compreenderam porque aquele homem trabalhava na lavoura de peito nú, ele não tinha nenhuma camisa.
Um dos investigadores, espantado, perguntou-lhes como conseguiam ser tão felizes tendo tão pouco, ao contrário do rei, que tinha tanto, mas era infeliz: – Somos felizes porque fomos revestidos pelo reino de Deus. Ele está em nossos corações, respondeu-lhe o homem.

http://www.pregador.com.br/

Get Adobe Flash playerPlugin by wpburn.com wordpress themes