Aquilo ou aquele em quem um homem mais confia, esse é o seu “deus”. Algumas pessoas confiam na saúde, e outros nas riquezas; alguns confiam em si mesmos, e outros confiam em seus amigos. E a atitude que caracteriza a todos os indivíduos sem regeneração é que dependem do braço da carne. Porém, a eleição da graça desvia os seus corações de todos os apoios dados pela criatura, para que se estribe no Deus vivo. O povo de Deus são os filhos da fé. A linguagem emitida pelos seus corações é: “Deus meu, em ti confio, não seja eu envergonhado” (Salmos 25:2). E uma vez mais: “Eis que me matará, já não tenho esperança; contudo defenderei o meu procedimento” (Jó 13:15). Esses dependem de Deus, para que lhes proveja o necessário, para que os proteja e abençoe. Olham continuamente para um recurso invisível, ficam na dependência ao Deus invisível, apoiam-se em um Braço oculto.

É verdade que há ocasiões em que a fé dos verdadeiros crentes hesita; mas, embora tropecem, não ficam inteiramente prostrados. Embora isso não reflita a experiência uniforme deles, contudo o Salmo 56:11 expressa o estado geral de suas almas: “… neste Deus ponho a minha confiança e nada temerei. Que me pode fazer o homem? “

Em Lc 17.5 a oração anelante deles é: “Senhor, aumenta a nossa fé!”

Conforme diz a passagem de Romanos 10:17: “E assim, a fé vem pela pregação e a pregação pela palavra de Cristo”. E dessa maneira, enquanto meditamos sobre as Escrituras, em que as suas promessas são acolhidas em nossa mente, a nossa fé é fortalecida, a nossa confiança em Deus aumenta, e a nossa segurança se aprofunda. Desse modo podemos descobrir que estamos tirando proveito ou não de nosso estudo da Bíblia.

A.W. Pink