Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, conheceu a depressão durante um momento de angústia extrema, nos últimos dias de sua vida. Lucas, em seu Evangelho, nos apresenta Jesus em agonia, muito angustiado, ou, cheio de uma grande aflição (Lc 22.44).

Sabemos hoje, pelas ciências médicas, que é possível alguém, debaixo de grande estresse, perder sangue através das glândulas de suor da superfície da pele. O nome disso é hematidrosis. Ocorre quando os vasos capilares subcutâneos dilatam e estouram, misturando sangue com suor. O “suar gotas de sangue” pode ser causado por uma depressão muito profunda, uma espécie de angústia extrema misturada a muita tensão física. 

E foi isso que aconteceu com nosso precioso Salvador na madrugada que antecedeu a sua morte. O Senhor Jesus declarou que a angústia tinha lhe trazido ao limiar de morte. Todo o peso daquele momento estava o esmagando. 

Você já parou para pensar no que Jesus estava para passar? Ele sabia que, em poucas horas, sofreria todo o tipo de abuso. Ele estava prestes a receber a culpa pelos pecados de todos aqueles que já haviam crido e que, um dia, viriam a crer nEle. Os pecados dessas pessoas estavam para ser lançados sobre Ele. Toda a condenação, toda a culpa, sobre Ele que é Santo, Perfeito, Justo e Bom. Tal abuso à santidade é inimaginável para nós, incompreensível e completamente inexplicável. Só Ele sabe o que sentiu o viveu quando recebeu o peso de nosso pecado sobre si.

Ele estava se entregando por você e por mim, e nosso pecado e condenação são tão horríveis a Deus que, no momento em que tudo isso foi lançado sobre Cristo, ouvimos as palavras: “Deus meu, Deus meu! Por que me abandonastes?” Este foi o exato momento em que nossa culpa, maldição e pecado foram postos sobre o nosso Salvador. Não fosse isso, o nojo das nossas ofensas caírem sobre o Filho de Deus, jamais Deus, que é Santo, teria que se afastar dEle naqueles momentos. 

Ele sabia que teria que morrer. Esse era o preço para a nossa salvação. Ele teria que morrer em nosso lugar para abolir toda a condenação nossa ao inferno. Jesus quis fazer a vontade de Deus. Ele sabia do que tinha de fazer. Até desejou que nada daquilo precisasse acontecer, desejando que Deus afastasse dEle aquele cálice de sofrimento, mas sabia da Sua missão, sabia do que tinha de fazer. 

Jesus, naquele momento de terror e angústia profunda, poderia ter se recolhido na casa de um amigo. Poderia ter se trancado num quarto sem querer falar com ninguém, sem ter vontade de orar e de fazer mais nada. Essa seria a atitude natural para aquele momento de depressão. Mas Jesus nos demonstrou o que todos deveríamos fazer quando atravessássemos um momento como aquele: Se eu sei o que tenho de fazer, vou fazer! Não importa o que eu estou sentindo, não importa o que eu quero, vou fazer o que devo.

É claro que você nunca estará numa situação como a de Jesus, tendo que morrer para salvar a vida de muitas pessoas. Mas, tanto você como eu, não estamos livres de passamos por uma angústia extrema, uma depressão por conta de algo que atravessamos na vida ou que temos de atravessar. A grande lição que as Escrituras nos dão é: ore, busque a presença de Deus; se quiser, peça a Ele que livre você dessa situação, mas não deixe de dizer como Jesus, “que não seja feita a minha vontade, mas a Tua”. 

Esteja disposto a fazer a vontade de Deus, e a vontade de Deus nessas horas é a mesma das de outras horas: vá demonstrar seu amor pelo próximo, vá cozinhar um prato diferente, vá visitar seus clientes, vá visitar um doente, vá passear com seu cônjuge, vá trabalhar, vá estudar, vá, vá e vá, e nunca deite no sofá, nunca deixe de ser um guerreiro, uma guerreia, CORAGEM! Porque, em Cristo, o apóstolo Paulo diz, você é mais do que vencedor(a), e ele diz isso para pessoas na situação de tribulação, angústia, perseguição, fome, nudez, perigo, e morte (Rm 8.35-37).

 Portanto, aprendemos com Cristo, no seu momento de depressão profunda, que, em depressão, Jesus não se calou, foi orar mais intensamente do que nunca; e que Jesus, sabendo que tinha algo a cumprir, não deixou que a depressão o derrubasse a ponto de deixar de fazer o que precisava fazer. Foi e fez, e, por isso, Deus o deu graça e força para atravessar aquele momento difícil. 

A mesma graça e força Deus quer dar a você também! Seja qual for o momento que você atravessa, a graça de Deus é suficiente para lhe ajudar a atravessar a depressão e lhe livrar dela. Você crê nisso? Que Deus lhe abençoe e lhe dê uma semana debaixo de Sua preciosa graça.

 

Wilson Porte Jr.

Fonte: http://wilsonporte.blogspot.com/