É sábio ensinar que é possível que um crente alcance um patamar de completa santidade nessa vida?
 
Não há nenhuma dúvida de que os crentes são exortados constantemente, nas Escrituras, a buscar a perfeição (2 Coríntios 13:9) Porem, não encontrei nenhuma passagem na Bíblia que ensine que é possível alcançar uma completa e integral liberdade do pecado, ou que essa liberdade tenha sido alcançada nessa vida por algum crente. É possível uma perfeição comparativa – porem, quanto a uma perfeição literal e absoluta, nenhum dos maiores santos de Deus em nenhuma época a reclamaram. E os grandes santos da história bíblica – Davi, Paulo, João – não duvidavam em declarar que estavam conscientes de debilidade e pecado em seus próprios corações
 
Penso que os que reclamam ter uma perfeição livre de pecado nessa vida, conhecem muito pouco da natureza do pecado ou da santidade de Deus. Protesto contra esse ensino que não é bíblico, pois é um perigoso engano. Desagrada aos indivíduos que possuem discernimento e os afasta da religião, pois ele percebem que essa noção é falsa. Deprime a alguns dos melhores filhos de Deus que se sentem longe de alcançar tal perfeição, e faz que os crentes débeis sintam-se orgulhosos, quando se imaginam ser algo que não o são.
 
 
É sábio assegurar tão positivamente, como alguns fazem, que Romanos 7 descreve não a experiência de um santo, mas sim a experiência de uma pessoa não regenerada?
 
Esse é um ponto que tem estado continuamente em disputa desde os tempos de Paulo. Porem, devemos dizer que todos os reformadores, puritanos e muitos outros estudiosos da Bíblia(1) estão todos de acordo em que Paulo descreve aqui a experiência de um crente cristão. Ignorar o peso das opiniões de tal amostra de reformadores e puritanos é pouco sábio.
 
(1) Nota: Ryle indica uma lista de nomes que incluem a Haldane, Jonh Owen, entre outros, que defendem a posição de que Paulo escreve sobre sua própria experiência ao momento de escrever a Epístola.
 
J.C.Ryle
In: ”Aspectos da Santidade”
Traduzido por Allan Román